ARTIGO: Turbulências e a necessidade de manter a fé

Arquivado em (Macau) Por Wallacy Atlas on 31-10-2017

Turbulência, seja no mar ou no ar, é sempre sinônimo de adversidade, tribulação, dificuldade e desordem.

E dizer hoje que o governo Túlio Lemos passa por momentos de turbulências soa como algo ruim. de fato, assim como um avião que treme no ar, o momento do governo municipal não é bom.

Mas como diz o popular ditado que “há males que vêm para o bem” a turbulência pode também vir a ser algo bom.

É só percebermos que para mexermos o açúcar no fundo de uma xícara precisamos fazer “turbulência” no café, ou na água com o sabão. as vezes é preciso mexer pra achar o tom, a medida ou as peças certas. já que é impossível aprimorar o que nasce perfeito, ou sendo mais ousado “governo que não começa mal não tem como melhorar”

E para que não fiquemos nós (os passageiros deste vôo), desesperados como se a luz no fim do túnel tivesse se apagado é preciso sabermos de uma coisa fundamental nesses casos:

Toda turbulência tem começo, meio e fim.

Não há uma turbulência que dure a viagem toda, é como uma tempestade, algo que irá passar. Mas para que termine precisamos saber qual rumo tomar, qual caminho seguir. Não podemos ficar encarando-a como uma pequena e inofensiva neblina.

É preciso pulso firme, atitude e convicção para não se perder em meio a tempestade. E Túlio, ao demitir de forma sumária todos os cargos comissionados do governo demonstrou finalmente ter encontrado – e principalmente aceitado depois de muito relutar – o caminho.

A luz no fim do túnel ficou sim turva, embaçada, parecida com uma pequena chama de uma vela, porém não se apagou, está acesa, continua acesa e é preciso acreditar que continuará assim.

As feridas vão aparecer, o remédio será dolorido e amargo, já está sendo, mas a tendência é sempre melhorar.

Por outro lado é bom ver que Túlio enquanto prefeito continua se mostrando comprometido com o sucesso administrativo e coletivo de Macau. Vai a reuniões, palestras, à Brasília, à Caern e ao Governo do Estado rotineiramente em busca de soluções e ajuda, e mais importante que isso: ele já está adaptado a nova situação financeira que o nosso município se encontra, já aceitou que Macau hoje arrecada pro básico, quando dá sorte.

Este é o primeiro tipo de turbulência que o prefeito Túlio Lemos tem pela frente: formada por problemas materiais e tratáveis, alguns causados por ele (como o mesmo já admitiu) outros não. mas todos são de responsabilidade intransferível de Túlio Bezerra Lemos.

O segundo tipo de turbulência é uma mais grave, nociva e que foge de suas mãos a capacidade de contornar ou acabar, é a turbulência social.

As turbulências sociais, na política, são usadas para destuírem e encerrarem de forma precoce governos ou perpetuar um desgaste que sem ela seria momentâneo, bem menor.

Fabricadas por grupos políticos ou pessoas que desejam trocar o caos pelo poder, pura e simplesmente. Sem amarras. Algo como um aluno que tenta tomar o lugar do professor apenas para poder escolher o que irá ou não cair na prova.

Não há propósito, não há crescimento, não há racionalidade nem pudor algum, é o caos em troca do poder, da desgraça do outro, da desgraça de Macau.

Uma vez instalada essa turbulência social não há consenso sobre mais nada. As discussões sobre o futuro da cidade se tornam agressivas. Brigas, processos e incitações a violência são pratos principais no cardápio dos operadores do ódio, que financiam e alimentam esse grupo cada vez maior de gente detentora de insatisfações pessoais. Com dinheiro, mentiras, supostos problemas de saúde, casos extra-conjulgais, falsas informações, montagens, ódio e veneno.

Agora, em Macau, não há mais diálogo político. Existem visões grosseiramente antagônicas, provocadas e criadas de forma artificial por dois grupos distintos, um de pessoas com sede de poder, na real intenção de tornar o caos regra, para poder emergir do meio deste caos um monstro (talvez um candidato), cruel e sanguinário que se alimenta e se sustenta da desordem e da politica de outrora: baixa, vil e promíscua.

E outro que acha que tá tudo bem.

Logicamente sou a favor de protestos contra a corrupção e manifestações individuais de opinião ou credo, entretanto, é preciso ter muito cuidado para não confundir um quadro de desordem causada por atrasos de salários e fornecedores com um quadro de corrupção bem ordenada. Lutar contra o primeiro (atitude legítima), pra acabar trazendo o segundo.

A desgraça moral, o descalabro e a cara de pau do segundo quadro de forma ordenada. Democratizada e bem repartida entre os que financiaram e estruturaram a revolta contra o primeiro: desordem administrativa.

Por isso acredito que esta turbulência que nossa cidade de Macau passa pode ser o ingrediente que faltava pra provocar uma união a favor de Macau, do bem coletivo.

É preciso acreditar em Macau, é preciso acreditar em Túlio Lemos e deseja-lo boa sorte, pois, o primeiro quadro (desordem administrativa) cabe a ele achar o caminho da saída, já o segundo (corrupção ordenada) praticado e orquestrado por quem hoje cobra “na cara dura” lisura e transparência do atual gestor só traz prejuízo pra quem vem depois. E lembrem, hoje é o depois de ontem.

Hipocrisia ou conveniência, chame como quiser, seja como for, o caminho não é esse.

Por Rudnick

facebooktwittergoogle_plusmail

Em nota, Bosquinho da Receita fala sobre o atual momento administrativo de Macau

Arquivado em (Macau) Por Wallacy Atlas on 02-07-2016

O servidor da Receita Federal, Bosquinho da Receita, na manhã deste sábado (02), emitiu nota sobre o atual momento administrativo e financeiro pelo qual passa a cidade de Macau, e ainda ressaltou que, o governo do município tem feito esforços para manter as contas equilibradas e os serviços essenciais funcionando.

Eis a nota;

“Amigos, o momento administrativo do município é de extrema responsabilidade não somente do prefeito Einstein, mas de todos nós macauenses. A instabilidade político-administrativa que nosso país enfrenta, atinge a todos nós. O governo federal corta gastos, investimentos, tudo em nome do desenvolvimento, mas simplesmente para agradar os países ricos e atrair investidores, na ilusão de resolver o problema que transformou nosso Brasil nessa situação periclitante, onde sabemos que o nosso problema é cultural. Mesmo assim, o município de Macau ao invés de acompanhar essa política oportunista, resolveu seguir o rumo de investir em saúde e qualidade de vida aos que necessitam de atendimento em suas unidades. Governo que aparentemente está longe do povo, mas preocupado com a situação de toda população em administrar as contas -receitas e despesas meio aos oposicionistas que já tiveram suas avaliações e julgamentos pela população macauense. Precisamos sim ressurgir á dignidade, confiança e o respeito pelo povo. Macau clama por líderes que conduzam o povo rumo ao progresso, sem ganância de poder, nem de enriquecimento ilícito. Muitos querem e se acham no dever de receber o voto de confiança e obrigação de ser votado, quando na verdade todo o seu patrimônio é voltado à capital, a fim de se afastar do seu povo sofredor, lembrado somente ás vésperas de eleições. Vem como leões vorazes a mando dos grandes, ludibriar e vender falsas ilusões aos cidadãos sofredores. O  nosso governo busca a cada dia acertar no melhor para nossa cidade. Aqui surgirá esperanças e realizações e não mentiras e escravidão como outrora. População Macauense junte-se a nós, fuja de políticos tradicionais, famílias tradicionais; lembre-se que enquanto muitos dormem, estamos acordados pensando no melhor para todos.”

13549189_1007808769256698_1010135564_o (1)

Bosquinho da Receita

facebooktwittergoogle_plusmail

Fala… Doutor!

Arquivado em (Saúde) Por Wallacy Atlas on 12-12-2014

Hoje o amigo e médico psiquiatra Dr. Ernane Pinheiro, aborda o tema “Tipos de Amor”.

Eis…

10365836_1537515463154440_947378535253699785_n

facebooktwittergoogle_plusmail

Fala… Doutor!

Arquivado em (Saúde) Por Wallacy Atlas on 24-11-2014

Hoje o amigo e médico psiquiatra Ernane Pinheiro fala de um tema bastante interessante; Amor e Casamento.

Eis…

10806419_1530996813806305_5361205512231922852_n

facebooktwittergoogle_plusmail

Fala… Doutor!

Arquivado em (Saúde) Por Wallacy Atlas on 20-10-2014

Essa semana o amigo e médico psiquiatra Ernane Pinheiro fala de um tema bastante corriqueiro na vida do ser humano; o ciúme.

Eis…

10685448_1518399001732753_5150982042418988254_n

facebooktwittergoogle_plusmail

Fala… Doutor!

Arquivado em (Saúde) Por Wallacy Atlas on 15-10-2014

O Blog traz mais um post esclarecedor assinado pelo amigo e médico psiquiatra, Ernane Pinheiro, falando sobre a dependência do tabaco e se é possível deixar de fumar.

Eis…

1606922_1516686475237339_2208374059493523189_n

facebooktwittergoogle_plusmail

Ordem do Dia

Arquivado em (Artigo) Por Wallacy Atlas on 14-06-2013

… Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias. Difícil é encontrar e refletir sobre seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

A crítica por criticar cai no ridículo!

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo: Traição

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 26-07-2012

O profeta caminhava pela rua, perguntando: “não somos todos filhos do mesmo Pai Eterno?” A multidão concordava. E o profeta continuava: “e se é assim, por que traímos nosso irmão?

Um garoto que assistia, perguntou ao pai: “o que é trair?”

“É enganar o seu companheiro de luta, para conseguir determinada vantagem”, explicou o pai.

“E por que traímos nosso companheiro?” insistiu o garoto.

“Porque, no passado, alguém começou isto. Desde então, ninguém soube como parar a roda. Estamos sempre traindo ou sendo traídos”.

“Então não trairei ninguém”, disse o garoto. E assim fez. Cresceu, apanhou muito da vida, mas manteve sua promessa. Morreu velho.

Seus filhos sofreram menos e apanharam menos.

Seus netos nada sofreram.

Paulo Coelho – Escritor 

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo: O viajante solitário

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 30-01-2012

O viajante sentia-se solitário ao sair de uma missa.

De repente, foi abordado por um amigo: “preciso muito falar com você”, ele disse.

O viajante viu naquele encontro um sinal, e ficou tão entusiasmado que começou a conversar sobre tudo que considerava importante. Falou das bênçãos de Deus, de amor, disse que o amigo era um sinal de seu anjo, pois se sentia solitário minutos atrás, e agora tinha companhia.

O outro escutou tudo em silêncio, agradeceu, e foi embora.

Em vez de alegria, o viajante sentiu-se mais solitário que nunca. Mais tarde se deu conta. No seu entusiasmo, não tinha dado atenção ao pedido daquele amigo: falar.

O viajante olhou o chão, e viu suas palavras jogadas na calçada – porque o universo estava querendo outra coisa naquela hora.

Autor: Paulo Coelho

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo: A solidão do espantalho

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 02-01-2012

Certa vez, passeando por um campo, um homem viu um espantalho, e comentou: “deves estar cansado de permanecer aí, neste campo solitário, sem nada para fazer”.

O espantalho respondeu: “o prazer de afastar o perigo é muito grande, e eu jamais me canso de fazer isto”.

O homem concordou: “sim, eu ajo desta maneira, com bons resultados”.

E disse o espantalho: “mas só vive espantando coisas, aqueles que estão cheios de palha por dentro”.

O homem demorou anos para entender a resposta: quem tem carne e sangue em seu corpo precisa aceitar algumas coisas que não estava esperando. Mas quem não tem nada dentro vive afastando tudo que se aproxima – e nem mesmo as bênçãos de Deus conseguem chegar perto.

 

Paulo Coelho – Escritor 

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo – Qual é o maior luxo sofisticado?

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 26-12-2011

Ao lado do mosteiro de Ibak, vivia um sábio sufi, excelente negociante, que terminou por acumular uma grande riqueza.

Um visitante do mosteiro, ao ver os custos altíssimos dos trabalhos de renovação do templo, disse para quem quisesse escutar:

“Eis que os caminhos da sabedoria se transformam na estrada da ilusão! Encontrei alguém que diz procurar a verdade, e, no entanto está podre de rico!”

As palavras terminaram chegando aos ouvidos do sábio.

Quando lhe perguntaram o que tinha a dizer, ele comentou:

“Eu achava que possuía tudo, e acabo de descobrir que me faltava uma coisa. Agora sei que sou realmente um homem rico, porque consegui o luxo mais sofisticado”.

“E qual é o luxo mais sofisticado?”, quis saber um dos monges.

“É ver alguém sentindo inveja de você”.

Paulo Coelho – Escritor 

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo: O crescimento constante

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 14-12-2011

A vida é desenvolvimento.

Para atingir isso, suba as montanhas altas e desça até os vales profundos de sua alma.

Inspire e sinta que está sugando para dentro de si tudo o que existe nos céus e na Terra.

Expire e sinta que o ar que sai do seu corpo carrega a semente da fecundidade, e irá fazer a humanidade ser mais verdadeira, melhor, e mais bela.

Paulo Coelho – Escritor 

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo: Das pedras

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 18-11-2011

Autor: Paulo Coelho

“Vamos até a montanha onde Deus mora”, comentou um cavaleiro com seu amigo. “Quero provar que Ele só sabe pedir, e nada faz para aliviar nosso fardo”.

“Pois vou para demonstrar minha fé”, disse outro.

Chegaram à noite no alto do monte, e escutaram uma voz na escuridão:

“Encham seus cavalos com as pedras do chão!”

“Viu?”, disse o primeiro cavaleiro. “Depois de tanto subir, ele ainda nos faz carregar com mais peso. Jamais obedecerei!”

O segundo cavaleiro fez o que a voz dizia. Quando terminaram de descer o monte, a aurora chegou, e os primeiros raios de sol iluminaram as pedras que o cavaleiro piedoso havia trazido: eram diamantes puríssimos.

Diz o mestre: as decisões de Deus são misteriosas; mas estão sempre a nosso favor.

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo: Qual o primeiro passo?

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 06-11-2011

Um homem resolveu visitar um ermitão que vivia perto do mosteiro de Sceta.

“Qual o primeiro passo daquele que pretende seguir o caminho espiritual?”, perguntou.

O ermitão levou-o até um poço, e pediu que olhasse seu reflexo na água. O homem obedeceu, mas o ermitão começou jogar pequenas pedras, fazendo com que a superfície se movesse.

“Não poderei ver direito o meu rosto enquanto o senhor jogar pedras”.

“Assim como é impossível ver seu rosto em águas turbulentas, também é impossível buscar Deus se a mente estiver ansiosa com a busca”, disse o monge. “Não faça perguntas, apenas siga adiante com fé. Este será sempre o primeiro e mais importante de todos os passos”.

Paulo Coelho

facebooktwittergoogle_plusmail

Artigo – O que o sábio pedia a Deus

Arquivado em (Cultura) Por Wallacy Atlas on 31-10-2011

Um homem recebeu, certa vez, a visita de alguns amigos.

“Gostaríamos muito que nos ensinasse aquilo que aprendeste todos estes anos”, disse um eles.

“Estou velho”, respondeu o homem.

“Velho e sábio”, disse outro. “Afinal de contas, sempre te vimos rezando durante todo este tempo. O que conversas com Deus? Quais são as coisas importantes que devemos pedir?”

O homem sorriu. “No começo, eu tinha o fervor da juventude, que acredita no impossível. Então, eu me ajoelhava diante de Deus e pedia para que me desse forças para mudar a humanidade. Aos poucos, vi que era uma tarefa além das minhas forças. Então comecei a pedir a Deus que me ajudasse a mudar o que estava à minha volta”.

“Neste caso, podemos garantir que parte de seu desejo foi atendido”, disse um dos amigos. “Seu exemplo serviu para ajudar muita gente”.

“Ajudei muita gente com meu exemplo; mesmo assim, sabia que não era a oração perfeita. Só agora, no final de minha vida, é que entendi o pedido que devia ter feito desde o início”.

“E qual é este pedido?”

“Que eu fosse capaz de mudar a mim mesmo”.

Paulo Coelho

facebooktwittergoogle_plusmail